Clique nos links abaixo para saber mais

25/10/2011

Depoimento da Sandra sobre a Dança Materna para Gestantes

Este depoimento é parte da matéria "Atividade Física na Gestação", feita pela jornalista Luciana Benatti para a Casa Moara. Foi uma grande alegria acompanhar a gestação da Sandra, contribuir com sua preparação para o parto e seu bem estar na gravidez com a Dança Materna e vê-la tomar as decisões que a levaram a conseguir o parto que desejava ter.


Eu gostava mesmo era de dedicar aquele momento ao meu bebê


Sandra continuou a dançar com Leo depois do parto
Antes de ficar grávida, eu fazia musculação e ginástica. Durante a gravidez, optei pela Dança Materna para ter um maior contato comigo mesma e com meu bebê, sentir meu corpo mudando e se adaptando. E também porque amo dançar!
Na Dança Materna eu sentia que entrava em contato com meu bebê de uma forma diferente. Muitas vezes tinha um dia estressante no trabalho e sentia muitas daquelas “contrações-treino”. Mas quando chegava a noite, na aula de dança… Ele ficava quietinho! Parece que meu filho sabia que aquele momento era dedicado apenas a nós dois.
Meu dia era tão corrido, que eu merecia um momento de relaxamento, um intervalo gostoso para curtir minha segunda gestação. Achava a academia muito “fria” naquele momento. Eu queria mesmo era ter prazer durante a aula.
A dança, e também a Tati (Tatiana Tardioli, criadora da Dança Materna), me ajudaram muito na preparação para o parto. Durante a aula nós nos alongávamos, nos exercitávamos, dançávamos, brincávamos e conversávamos muito. Ela me deu muitas dicas excelentes. Indicou as reuniões do Gama (Grupo de Apoio à Maternidade Ativa), que eu amei e recomendo a toda gestante. Incentivou também a minha mudança de obstetra, pois foi durante as nossas conversas que comecei a perceber que meu antigo médico estava me levando para outra cesárea.
Ela me fez entrar em contato com meu corpo de uma forma diferente: comecei a prestar mais atenção na minha respiração, me tornei mais paciente, percebi a elasticidade do meu corpo, mesmo grávida! O fato de conversar bastante com a Tati durante as aulas fez com que me aproximasse ainda mais do meu bebê e me ajudou a tomar decisões importantes em prol de uma gestação mais tranquila. Fez também com que eu procurasse mais informações sobre o parto. Fiquei “mais antenada”: se eu queria mesmo um parto normal, precisava saber tudo o que aconteceria com o meu corpo durante o processo.

Leo curtia quietinho, assim como ficava dentro da barriga
As aulas eram uma delícia! Meu corpo agradecia por aquele momento tão prazeroso. Mas eu gostava mesmo era de dedicar aquele momento ao meu bebê. Ele ficava tão quietinho, prestando atenção em tudo o que eu fazia: me esticava, me soltava para lá e para cá, brincava com meus braços, pernas, cabeça… Eu terminava a aula feliz e sabia que ele estava tão feliz quanto eu. Quando eu entrava no carro para ir embora, ele se retorcia como se estivesse dizendo: “Mamãe, já acabou?” Foram momentos mágicos que vivemos juntos!
Sandra, 35, engenheira, é mãe de Leonardo há sete meses.


Sandra e Leo com a professora Tatiana Tardioli (de vermelho)


Dançando com outras mães e bebês na Casa Moara




http://casamoara.com.br/eu-gostava-mesmo-era-de-dedicar-aquele-momento-ao-meu-bebe/