Clique nos links abaixo para saber mais

08/08/2015

7 anos da Dança Materna!

A Dança Materna faz 7 anos!!! Nasceu em 7 de agosto de 2008.
Passei quase seis destes 7 anos nutrindo-a e me alimentando. E ainda o faço intensamente. Refinando os sentidos, dando forma a cada tijolinho, colocando-os juntos, criando liga e conexões entre eles. Quantas coisas aprendi, estudei criei, vivi e compartilhei. Tantos encontros, abraços, lágrimas e alegrias. Na completude desta data, olho para o trabalho e me alegro, vendo uma criança que desenvolveu cada sentido com muita beleza. Para em pé, é móvel, viva e crescente. Temos o tato para sentir e acolher cada mãe em suas alegrias e dores, a visão, para olhar para cada mãe-bebê com discernimento e amor. Escuta para as felicidades diárias e aflições, ao mesmo tempo tão singulares e tão de todas nós. Paladar para saborear a dança, como uma possibilidade de expressão, libertação e encontro com a gente mesma, com nossos bebês e com o mundo. Temos olfato para sentir o maravilhoso e apaixonante cheirinho de cada bebê.

Coração para amá-los tanto quanto suas mães. Respeito e admiração pela transformação intensa que vivem juntos dia após dia.
Na minha bebezice como empreendedora, em 2008, eu era mãe de uma menina de 6 meses e sabia que nada poderia me separar dela e tinha claro para mim que no ritmo no qual eu trabalhava antes dela chegar a esse mundo, não poderia criá-la sem abrir mão de mais do que poderia dar conta. Assim criei coragem e revolucionei a vida.

Era um trabalho absolutamente pioneiro. As mães não tinham seus bebês e pensavam: "Ah, acho que vou dançar com ele!"- Muito menos quando estavam grávidas. Foram uns três anos de muito estudo, muito trabalho e extrema persistência. Nina estava comigo e eu com ela e isso me fazia saber do fundo da alma que tudo ficaria bem. O projeto foi ganhando notoriedade, mais mulheres foram chegando, muitas profissionais pedindo cursos. Mais um filho que chegou, Gil, em 2012, trazendo mais inspiração e amor. Dancei até 48 horas antes dele nascer. Voltei a dar aulas carregando-o comigo quando ele tinha 2 meses e meio.
    Foto: aula especial, encerrando a ‪#‎smam2015‬ na Praça das Artes  

Sentia que o trabalho estava maduro. Criei coragem, encontrei um formato para compartilhá-lo com qualidade e hoje vejo um jardim com brotos, flores e sementes. As professoras foram chegando e hoje somos um corpo vivo e em fase de crescimento, abraçando todo o Brasil. Somos nesse momento 33. Sonho realizado, uma rede colaborativa de mulheres. Amor e cuidado de verdade. Dá um trabalho danado, mas é bom demais e tenho a confiança de que caminhamos alinhadas em valores e ações.
À vocês, professoras, agradeço a cada uma, porque são parte do meu sonho de transformar a realidade das mulheres num período tão importante e potencialmente solitário da vida. E porque meu caminho é muito mais alegre por ser compartilhado e porque sem vocês não teria tantos braços, e pernas pra dar conta da vontade do meu coração de chegar tão longe.

Agradeço a cada grávida e mãe, que dançou comigo, ou com as professoras da Dança Materna pelo Brasil. Cada uma de vocês significa muito para nós. E seus bebês merecem todo nosso amor e cuidado.
Aos meus filhos e ao meu marido, agradeço por me fazerem viver a cada dia uma vida com propósito e amor.
Essa lista de agradecimentos é interminável e passa por todo mundo que colabora com a gente (vcs sabem quem são).
Concluo dizendo: 2o setênio, nos aguarde! Colocar sonhos e planos em prática é com a gente mesmo!
Que todo amor que recebo, volte multiplicado para vocês e que as pedras do caminho sejam sempre trampolins para todas nós!
Não é por acaso que a palavra amor aparece tantas vezes nesse texto.
Com amor de mãe,
Tatiana Tardioli